Início / Meio Ambiente / Cidades / Ecovilas – Sobre o dinheiro e a economia

Ecovilas – Sobre o dinheiro e a economia

Economia Solidária

Talvez essa mudança de paradigma necessária a uma organização em harmonia com o todo, seja um grande desafio para uma ecovila.

Fico observando a economia natural do processo da vida, e concluindo que esse sistema natural, também funciona como uma rede.

Observem como não faltam nutrientes para uma mangueira dar seus frutos.

Ela simplesmente se enche de dádivas, flores e frutos e os deixa cair maduros para alimentar quem vier..

.. e se nenhum ser dela se alimenta, suas mangas caem ao solo e brotam centenas de pés de novas mangueiras!

Isso não é lindo e generoso?

Na natureza nada se perde, tudo se transforma em mais riquezas e dádivas!!

Existem diversas correntes de novas economias sendo estudadas agora, e Frijof Capra talvez seja o autor mais conhecido a tratar das redes de economia solidária.

Vale a pena ler seus livros Conexões Ocultas e Teias da Vida como fonte de inspiração.

Podemos sim, usar o dinheiro de uma forma diferente, medindo o lucro pela capacidade de transformação das pessoas e comunidades circunvizinhas e não pelo lucro financeiro tão buscado pelas organizações e empresas no nosso mundo.

Quando trabalhamos a terra, ela nos responde, se cultivamos o dinheiro como energia pura, como provedor do bem estar e da prosperidade natural, teremos recursos para seguir adiante e construir uma nova economia.

Muitas ecovilas morrem por falta de recursos, elas não conseguem construir uma nova relação com o dinheiro e param de funcionar.

Uma das nossas fundadoras estrangeiras ajudou no passado a montar duas ecovilas.

Quando esteve aqui perguntei o que deu errado com elas, e ela prontamente respondeu; terminaram por falta de recursos, seus fundadores tinham uma visão inadequada do dinheiro, e acreditavam que poderiam viver sem ele.

Uma das razões dessa fundadora se integrar ao nosso projeto foi o nosso plano econômico auto sustentável, onde viu a possibilidade real dessa ecovila florescer.

Nosso plano econômico de construção é simples e visa a utilização de seus recursos extras no próprio projeto, em seu crescimento e sustentabilidade.

Nesse modelo, desestimulamos completamente o lucro como bem pessoal e o utilizamos na melhoria das comunidades locais.

O dinheiro é energia, e quando o desprezamos, desprezamos também uma energia poderosa de realização.

Fazer essa energia circular, crescer e proporcionar o bem das comunidades é uma solução alternativa, altruísta e nova.

Ter vários modelos que possam levar a esse resultado, e experimentá-los na prática, seria a opção mais recomendável.

Muitos novos bancos estão sendo abertos pelo mundo visando apenas o crescimento das populações pobres e sua inserção no mundo moderno e civilizado.

É possível a coexistência de uma economia solidária com os cuidados com o meio ambiente e uma vida natural.

O que não ajuda é essa irritação que notamos nos alternativos quando o assunto é dinheiro.

Há um grande equivoco nessa área que dificulta a sobrevivência das ecovilas.

Ver o dinheiro como uma energia capaz de melhorar a vida de todos e beneficiar as populações locais, e não como fim.

Ver o lucro como resultado da melhoria na qualidade de vida, em vez de um meio para alimentar nossa carência de consumo, é vital para a concretização de uma ecovila saudável.

Tanto o dinheiro quanto a energia são neutros, nós humanos é quem damos a ele a qualificação de bem ou mal, tudo depende de como e com que finalidade aplicamos essa energia.

Ely Britto
Idealizadora da Ecovila Viver Simples
Instrutora Sênior de Alquimia Interna Taoista
Pesquisadora do I Ching

Artigos Relacionados:

Compartilhe esse conteúdo

Veja Também

Ecovilas – Sobre saúde natural e conhecimento partilhado

Seria muito triste viver numa ecovila onde as pessoas precisem de seguro saúde, e quando …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *