Início / Meio Ambiente / Cidades / Ecovilas – Sobre saúde natural e conhecimento partilhado

Ecovilas – Sobre saúde natural e conhecimento partilhado

Ervas medicinais, medicina natural, homeopatia

Seria muito triste viver numa ecovila onde as pessoas precisem de seguro saúde, e quando estivessem doentes, tivessem que viajar a um grande centro urbano e se tratar em um hospital.

Sem duvida alguma que essa necessidade pode vir a acontecer, mas preferimos evitar com prevenção.

A medicina moderna está a cada dia mais mercantilizada.

Os tratamentos seguem protocolos nas dosagens das medicações que são produzidas pelas milionárias multi nacionais dos
remédios.

Uma medicina alternativa pensa na preservação da saúde e muito pouco em doenças.

Uma ecovila auto-sustentável deve criar um projeto inteligente e eficiente de preservação da saúde natural dos seus integrantes.

Alimentos saudáveis sem agrotóxicos, plantação de ervas medicinais, contato com raizeiros locais e terapeutas alternativos, centros com várias práticas de prevenção da saúde, cuidados com a qualidade da água, a prática de exercícios diários de circulação e multiplicação da energia vital do corpo, são fatores importantes que pretendemos implantar.

A Viver Simples tem realizado pesquisas locais para a formação desse centro de saúde desde o inicio de sua construção.

Foi feito contato com bons raizeiros locais e cadastramento de ervas naturais usadas pela população para a cura e preservação da saúde.

Em nosso projeto temos a construção de uma UTI natural, onde pessoas idosas podem se preparar para morrer em paz, sem as torturas dos tratamentos hospitalares que não respeitam a morte e querem evitá-la a qualquer custo, mesmo quando o paciente já tem 90 anos de idade e precisa concluir o seu ciclo natural de vida/morte.

Quase todos os fundadores de nossa ecovila praticam exercícios diários para a circulação e multiplicação da energia vital através de fórmulas milenares tradicionais de preservação da saúde.

Sorrir, rir muito, é uma das melhores formas de preservar a saúde.

Vejo no futuro nossa ecovila cheia de doutores da alegria fazendo todos rirem pelos menos 5 vezes por dia.

Uma boa gargalhada cura mais do que qualquer medicação.

Sem humor não é possível preservar nossa saúde!

A Ecovila Viver Simples fechou parceria com um proprietário de terras vizinhas que é um dos participantes da organização Doutores da Alegria.

Vamos aprender a criar situações cômicas e cuidar todos os dias de nossa saúde sorrindo muito!

Gargalhando se for possível, mas sempre rindo!!

Falta em algumas ecovilas um projeto realmente abrangente nessa área.

Mudar para junto da natureza, comer alimentos sem agrotóxicos, somente, não garantem a preservação da saúde.

Se assim fosse, homens do campo que comem alimentos sem agrotóxicos e que possuem uma vida movimentada e plena não adoeceriam.

Meios alternativos de todo tipo podem inspirar um bom projeto de saúde para os moradores de uma ecovila.

Somente assim podemos construir uma auto- sustentabilidade verdadeira nessa área.

A independência na cura de doenças e preservação da saúde é vital nesse processo!

Nossa ultima reflexão é sobre o conhecimento compartilhado.

Gosto de pensar que quando Jesus disse que não deveríamos cuidar dos tesouros da terra e sim construir tesouros no céu, onde as traças não podem comer, estava falando do conhecimento e de sua duração.

O conhecimento nunca se perde, e esse tesouro deve ser compartilhado com todos.

As zonas rurais onde estabelecemos as ecovilas, são carentes desses recursos, e creio ser um dever, compartilhar conhecimentos com as populações locais.

Trazer meios para criarem uma melhor qualidade de vida financeira, mental, emocional e cultural, é uma obrigação nossa.

O projeto abarca o trazer melhorias positivas para a região de Morro Grande, fomentar novas tecnologias de trabalho agrícola, cursos de arte e desenvolvimento dos talentos locais.

Treinamento na gestão dos recursos para a construção de sonhos pessoais e tudo o que possa trazer mais independência e sabedoria para as comunidades vizinhas.

Como nossa ecovila está situada no sul de Minas, e todos sabem da dificuldade e da desconfiança do mineiro com coisas inovadoras, vamos começar pelas mulheres locais e suas instituições religiosas.

Vamos participar de suas atividades e á partir daí, ir introduzindo aos poucos os conhecimentos necessários a seu desenvolvimento pessoal.

Tivemos uma boa experiência nas construções alternativas com a troca de conhecimentos dos construtores locais e o material novo sobre os modelos de construções alternativas que pesquisamos.

Aprendemos com interesse e respeito seus conhecimentos tradicionais e somávamos a esses, as novas tecnologias de bio- construção, sem que houvesse incompatibilidade entre elas.

O resultado final desse intercâmbio gerou um novo corpo de conhecimentos mais rico e eficiente para ambas as partes.

Acredito que através desse respeito e amor pelo conhecimento tradicional local, podemos aos poucos ir introduzindo a leitura, usar as conversas ao pé do fogão aproveitando para trocarmos experiências e abrir uma porta para empreendimentos mais desafiadores no futuro.

Para se instalar verdadeiramente algo novo, precisamos conhecer profundamente o que há, e sempre começar à partir da realidade em que se encontram e bem devagar ir instalando mecanismos de mudança.

Acredito que a fundação e, a construção de uma ecovila, acontece em um tempo não linear.

Como a natureza, ela também obedece a ciclos, nasce, amadurece e morre sempre construindo algo novo á partir do velho que morre.

O novo algum dia será velho, e também morre dando espaço para uma nova vida.

A ecovila que perdura deverá ser a menos permanente, a que se abre a cada dia para as mudanças.

O livro das mutações, o I Ching nos ensina, que a única coisa que perdura nessa vida é a impermanência.

Se a cada dia nos abrimos para as mudanças e criamos condições internas bem positivas, poderemos vencer os desafios permanentes que surgem no processo da manifestação plena de uma ecovila.

Somente assim podemos nos alinhar com os processos naturais, e aceitar que nenhum modelo único poderá funcionar numa ecovila verdadeira, sem ferir seu objetivo essencial que é ser mutante e bio-diversa como a natureza!

Ely Britto
Idealizadora da Ecovila Viver Simples
Instrutora Sênior de Alquimia Interna Taoista
Pesquisadora do I Ching

Artigos Relacionados:

Compartilhe esse conteúdo

Veja Também

Ecovilas – Sobre sustentabilidade e mão de obra

No mundo capitalista e pretensamente democrático onde vivemos, muitos trabalham duro ganhando pouco, para que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *