Bigu - Viver de Luz - Jejum Taoista

Bigu - Viver de Luz - O caminho Kunlun de Imortalidade Corpórea e dissolução no Vazio Original - Jejum Taoista

Somos ilimitados em nossas possibilidades divinas, no entanto as nossas crenças e distanciamentos do nosso estado original confundem a experiência humana com o que realmente somos.

Se algo é verdadeiro, este algo não pode deixar de ser verdadeiro com o tempo, esta é a diferença entre ser e estar, e assim é o nosso corpo, nossas ideias, nossos desejos.

A impermanência nos ensina que aquilo que somos pode assumir imensuráveis formas, e também se liberar de qualquer forma quando nos permitirmos ao reconhecimento com o infinito.

Para que a geometria da existência possa assumir a "não-forma" alguns métodos podem ser úteis no processo de vencermos os boicotes e termos experiências profundamente íntimas ao reassumir o que somos.

Aqui está uma possibilidade desta liberação: Bìgǔ, um dos caminhos que torna a Tradição Jiulong Kunlun como fundamentalmente asceta.

Bìgǔ

O termo Bìgǔ 辟穀 - significa "deixar de comer grãos", e refere-se à jejuar deixando de se nutrir das sementes e coisas nascidas, e é utilizado para descrever qualquer tipo de jejum.

A prática tradicional Kunlun pede o Bìgǔ para Retiros - ficar sem sexo e masturbação, sem carne, sem álcool, sem drogas alucinógenas, e desta forma armazenar energia para as iniciações; há também o Bìgǔ que possui vários níveis e camadas de prática e ensinamentos.

  • Primeiramente.

.: em Kunlun é necessário ser iniciado na Tradição - ter chegado até as iniciações de Fusão 3 e ser iniciado em Kan e Li, recebendo um nome e aprendendo as práticas para ajudar os espíritos perdidos no retorno para a luz (clique aqui para ler sobre o Banimento dos Espíritos - A Origem Mitológica dos Fang Shi).

.: receber as iniciações de Kan e Li 2 - Alquimia do Sol e da Lua.

.:Após este trabalho corporal e com a energia, e uma boa acumulação de Qi (energia vital), o corpo está pronto para realizar a prática completa de Bìgǔ sem fome e sem sofrimento.

.:A primeira prática total de Bìgǔ acontece no retiro de Kan e Li 2, onde aprendemos sobre a geometria do Sol e da Lua, das quatro estações na sustentação da vida e dura 3 dias. Olhamos de olhos abertos para o Sol e para a Lua, e aprendemos a absorver a luminosidade natural do mundo material e que vai ser a ponte para o imaterial.

.:O Sol, a Lua e as estrelas são os pais do nosso corpo, e por isso o processo se inicia com a força dessas luminosidades.

A segunda prática chamada de "Purificação dos venenos físicos" dura 21 dias, e é feita inicialmente com jejum utilizando-se pouca água e nenhum alimento físico, olhando para o Sol e absorvendo energia da Lua, além de fazer alguns exercícios de purificação.

Esta prática limpa profundamente o muco do corpo, desintoxica os órgãos e melhora o seu funcionamento, cura muitas doenças, também é necessário sair corretamente da prática para permitir que o corpo elimine o muco acumulado no intestino e aprenda a capacidade de se nutrir diretamente da luz original.

-Após este estágio recebemos os "Sete textos de Bìgǔ".

.:A partir deste momento, começamos a prática chamada de "Caminho do Espírito Primordial" 元神

.:No início precisamos da luz do Sol, da Lua e das Estrelas, depois podemos reconhecer a luz além dos veículos materiais, e começarmos a praticar o "engolir o ar e o orvalho", que é uma prática de engolir o ar e prender a respiração, assim geramos um tipo de saliva especial que supre a necessidade de água e de comida.

.:Pode-se praticar os 21 dias sempre que se quiser para limpar o corpo e resolver problemas de limitações da nossa percepção, em jejum nos tornamos uma esponja de luz e isso também ajuda a limpar as nossas limitações através de sonhos e de visões, e a capacidade de trazer o poder divino quando necessário.

.:A necessidade de alimentação após o primeiro período de 21 dias desaparece desde que se esteja em estado de Bìgǔ se permitindo ser nutrido pela luz.

Mas, mesmo assim pode-se escolher quando praticar e se sugere a prática ao menos uma vez por ano para ir sutilizando-se até nos desapegarmos da necessidade psicológica de alimento físico incrustada na nossa ancestralidade.

Após permanecer 3 anos sem alimentação física "engolindo ar e orvalho" se começa a prática da "Transferência do Corpo Físico para o estado de Pura Luz" 元神 onde se aumenta o tempo entre as respirações até todo o nosso ser se identificar com o estado de Luz que pulsa na imensidão do Vazio.

Para essa prática ser segura é necessário antes se ter consolidado o "Corpo de Diamante" ou "Corpo de Pura Luz", "Dragão Dourado" que é feito em uma meditação muito especial chamada de Nei Dan 內丹术, ensinada em regime monástico com votos de monge.

Visto que Nei Dan exige alimentação específica, restrição sexual durante o período de prática, e é extremamente perigoso ser feito sem supervisão.

A prática de meditação em Cavernas é em estado de Bìgǔ ou seja, em jejum total.

Ela é fundamental para a consolidação desse corpo luminoso, ou seja, essas duas práticas são dependentes no nossos sistema.

Os imortais que possuem realização em Bìgǔ podem mudar a forma do seu corpo, além de poderem permanecer na Terra, em outros planetas ou onde quiserem e por quanto tempo quiserem, no entanto, esse não é o fim do trabalho de alquimia, há ainda muito o que fazer depois de atingir este estado e muitos caminhos a traçar.

Na antiguidade, só eram considerados imortais os praticantes que atingissem este nível de prática e dissolvessem o corpo físico, já nos dias de hoje, podemos considerar imortais todos aqueles que despertaram o corpo de pura luz, ou seja, aqueles que conseguem se identificar com o nosso estado ilimitado que se dissolve no vazio, e há muitos métodos para isto, sendo meditação o principal, independente da linhagem.

ps: Algumas pessoas perguntam o motivo de não ensinarmos Bìgǔ na África ou em muitos países onde as pessoas passam fome. Ora pois, nestes locais a fome e a miséria possuem interesses políticos e econômicos, a maioria dos países miseráveis da África produzem muitas toneladas de algodão, e há alquimistas africanos que possuem estes níveis altos de realização e que ensinam lá, mas não há interesse do governo e não há como ensinar em massa sem essa ajuda ou contra ela.

Acreditamos que no futuro assim como no passado, cada vez mais pessoas irão despertar para sua verdadeira identidade divina e começarem a se nutrir da luz original, eliminando assim a fome e o sofrimento, e é para isso que trabalhamos.

Esses ensinos são secretos dentro de Kunlun e ensinados apenas aos iniciados, pois se tratam de processos perigosos e podem lesionar o corpo e a mente caso não se esteja pronto para eles.

Dentro da tradição essas práticas são transmitidas de forma segura e são resultado de um processo gradual e longo de cultivo interno que tendem a surgir de forma espontânea com a prática de outros caminhos dentro da tradição.

Muitas bênçãos e reconhecimento da luz a todos.

Monte Tai Yin Yi - Tradição Jiulong Kunlun

Fonte: Taoismo Brasil

Escrever um comentário (0 Comentários)

O custo ambiental de comer carne

Gostemos ou não, comer carne é um problema para todos no planeta.

Pergunte se comer carne é um assunto de preocupação pública e verá que a maioria das pessoas fica surpresa.

Comer ou não carne (ou o quanto) é um tema pessoal, dirão.

Talvez haja algumas implicações para o seu coração, especialmente se você tem sobrepeso.

No entanto, não é um tema público importante que se espera que os candidatos à Presidência ou o parlamento abordem, como a educação, a economia e a saúde da população.

Inclusive, se você é um dos poucos que reconhecem que comer carne tem importantes implicações ambientais, estas podem parecer relativamente pequenas.

Sim, houve relatórios sobre a derrubada da mata tropical para favorecer os latifundiários, e as pastagens nativas estão sendo destruídas pela pecuária.

Mas, até pouco tempo, poucos ambientalistas tinham apontado que comer carne tem a mesma importância que os assuntos abordados pelo Greenpeace ou Amigos da Terra.

Na medida em que as ciências ambientais avançam, é cada vez mais evidente que o apetite humano por carne animal agrava a maioria dos problemas ambientais, como o desmatamento, a erosão, a escassez de água potável, a contaminação atmosférica e da água, a mudança climática e a perda de biodiversidade, a injustiça social, a desestabilização das comunidades e a expansão das doenças.

Como é que um tema aparentemente pequeno como o consumo individual de carne passou tão rapidamente das margens da discussão sobre a sustentabilidade ao centro do debate?

Em primeiro lugar, porque o consumo de carne per capita mais do que duplicou no último meio século, apesar do aumento da população mundial.

Por conseguinte, a demanda de carne se multiplicou por cinco.

O que aumentou a pressão sobre a disponibilidade de água, terras, pastos, fertilizantes, energia, a capacidade de tratamento de resíduos (nitratos), e a maior parte dos limitados recursos do planeta.

Desmatamento

O desmatamento foi o primeiro dano ambiental importante causado pelo desenvolvimento da civilização.

Grandes superfícies de matas foram cortadas para dedicá-las à agricultura, que incluía a domesticação tanto de plantas comestíveis como de animais.

Os animais domésticos requerem muito mais superfícies que as plantações para produzir a mesma quantidade de calorias, mas isso não importou realmente durante os 10.000 anos em que sempre existiram mais terras para descobrir e expropriar.

Em 1990, no entanto, o Programa de Fome no mundo, da Brown University, calculou que as plantações mundiais, se fossem distribuídas equitativamente e sem destinar uma porcentagem importante ao gado, poderiam fornecer uma dieta vegetariana para 6 bilhões de pessoas, ao passo que uma dieta abundante em carne, como a dos moradores dos países ricos, podia alimentar somente 2,6 bilhões.

Em outras palavras, com uma população atual de 6,4 bilhões, isso quer dizer que já padecemos de um déficit de terras, agravado pela sobre-exploração pesqueira dos oceanos, que estão sendo rapidamente arruinados.

A curto prazo, a única maneira de alimentar toda a população mundial, se continuarmos comendo carne na mesma porcentagem ou se a população mundial continuar crescendo ao ritmo previsto (8,9 bilhões em 2050), é derrubar mais matas.

A partir de agora, a questão se obtemos nossas proteínas de calorias de animais ou de plantas tem implicações diretas sobre a quantidade de mata restante que precisamos arrasar.

Na América Central, 40% das matas tropicais foram cortadas ou queimadas nos últimos 40 anos, principalmente para pastagens do gado para o mercado de exportação, muitas vezes para a carne dos hambúrgueres dos Estados Unidos.

Os relatórios do Center for International Forestry Research destacam que o rápido crescimento nas vendas de carne bovina brasileira acelerou a destruição da mata tropical da Amazônia.

A destruição das campinas foi acelerada com a expansão das manadas de animais domesticados, e o meio ambiente no qual viviam os animais selvagens como bisontes e antílopes foi pisoteado e replantado com monoculturas de plantas forrageiras para o gado.

As reservas de água doce

A água doce, da mesma maneira que a terra, parecia inesgotável durante os primeiros 10 milênios da civilização.

Desse modo, parecia não importar a quantidade de água que uma vaca consumia.

Porém, há alguns anos, os especialistas calcularam que nós, seres humanos, consumimos a metade da água doce disponível no planeta, deixando a outra metade para ser dividida entre um milhão ou mais de espécies.

Em razão de dependermos de muitas dessas espécies para a nossa própria sobrevivência (fornecem todo o alimento que comemos e o oxigênio que respiramos, entre outros serviços), esse monopólio da água apresenta um dilema.

Se analisarmos em detalhe, espécie por espécie, descobrimos que o uso mais significativo da água se deve aos animais que criamos para carne.

Uma das maneiras mais fáceis para reduzir a demanda de água é consumir menos carne.

A dieta comum de uma pessoa no ocidente requer 16.000 litros de água por dia (para dar de beber aos animais, irrigar as plantações, processar, lavar e cozinhar, entre outros usos).

Uma pessoa com uma dieta vegetariana requer somente 1.100 litros diários.

Um relatório do Instituto Internacional de Gestão da Água, após assinalar que 840 milhões de pessoas no mundo sofrem desnutrição, recomenda produzir mais alimentos com menos água.

O relatório destaca que são necessários 550 litros de água para produzir suficiente farinha para uma ração de pão nos países em desenvolvimento, mas até 7.000 litros de água para produzir 100 gramas de carne bovina.

Se você toma banho uma vez por dia, e cada banho dura uma média de sete minutos, utilizando oito litros por minuto, gastará 19.300 litros por ano para um banho diário.

Quando você compara esse número com a quantidade que a Fundação para a Educação da Água calcula que é utilizada na produção de cada quilo de carne bovina (20.515 litros), perceberá algo extraordinário.

Hoje, você poderia poupar mais água não comendo um quilo de carne que deixando de tomar banho durante um ano inteiro.

Manejo de resíduos

O aterro de resíduos, da mesma maneira que a oferta de água, parecia que não tinha limites.

Sempre havia novos lugares onde jogar o lixo, e durante séculos a maior parte dos dejetos se decompuseram convenientemente ou desapareceram de vista.

Assim como não nos preocupou a quantidade de água que uma vaca consome, tampouco a quantidade que excreta.

Mas, hoje, os resíduos de nossos colossais estábulos superam a capacidade de absorção do planeta.

Os rios que recebem resíduos pecuários vertem tal quantidade de nitrogênio em baías e golfos que já contaminaram grandes áreas do mundo marinho.

As enormes estâncias de animais, que podem alojar centenas de milhares de porcos, frangos e bois, produzem quantidades imensas de resíduos.

Para dizer a verdade, ao menos nos Estados Unidos, estas “Fábricas de Gado” geram 130 vezes mais resíduos que toda a população.

Consumo energético

O consumo de energia, até há muito pouco, parecia um assunto dos frigoríficos, que nada tinha a ver com a carne e o leite de seu interior.

Contudo, quanto prestamos mais atenção na análise do ciclo de vida dos objetos que compramos, é evidente que a viagem do filé até chegar a nosso refrigerador consumiu quantidades surpreendentes de energia.

Podemos começar o ciclo com a plantação dos cereais para alimentar o gado, que requer grandes quantidades de produtos químicos agrícolas derivados do petróleo.

Posteriormente, é preciso acrescentar o combustível requerido para transportar o gado aos matadouros e dali para os mercados.

Hoje, a maior parte da carne consumida percorre milhares de quilômetros.

E, em seguida, após ser congelada ou posta no frigorífico, precisa ser cozida.

São necessários 8,3 litros de petróleo para produzir um quilo de carne bovina alimentada com ração nos Estados Unidos.

Parte da energia foi consumida no estábulo ou nos transportes e armazenamento frigorífico, mas a maior parte foi consumida em fertilizantes de milho e na soja para ração, com a qual são alimentadas as cabeças de gado.

O consumo médio anual de carne bovina de uma família de quatro pessoas requer 983 litros de petróleo.

Em termo médio, são necessárias 28 calorias de energia de combustíveis fósseis para produzir uma caloria de proteína de carne para o consumo humano, ao passo que se fazem necessárias 3,3 calorias de energia de combustíveis fósseis para produzir uma caloria de proteína de cereais para o consumo humano.

A transição da agricultura mundial, de cereais para alimentos a cereais para ração, representa uma nova forma de maldade humana, com consequências possivelmente maiores e mais prolongadas no tempo que qualquer das más ações anteriores infligidas pelos homens contra seus semelhantes.

Hoje, mais de 70% dos cereais e da soja produzida nos Estados Unidos são destinados à alimentação do gado, em sua maior parte para o gado.

Alimentar com cereais os animais é muito ineficiente e é um uso absurdo dos recursos.

Mudança climática

O aquecimento do planeta se deve ao consumo de energia, na medida em que as principais fontes de energia contêm carbono que, ao se queimar, emitem dióxido de carbonos e outros gases contaminantes.

Como já se destacou, a produção e a comercialização da carne precisam do consumo de grande quantidade de tais combustíveis.

No entanto, a gado também emite diretamente gases de efeito estufa, como um subproduto da digestão.

O gado emite importantes quantidades de metano, um potente gás de efeito estufa.

Uma tonelada de metano, o principal gás de estufa emitido pela pecuária, tem um potencial de aquecimento do planeta de 23 toneladas de dióxido de carbono por cada tonelada de metano.

Uma vaca leiteira produz aproximadamente 75 quilogramas de metano por ano, equivalentes a mais de 1,5 tonelada de dióxido de carbono.

A vaca, é claro, faz isto de forma natural.

Mas, as pessoas tendem a esquecer, parece, que a pecuária é uma indústria.

Derrubamos as matas, cultivamos as plantas forrageiras transgênicas e alimentamos o gado de forma industrial.

É uma empresa humana, não natural. Somos muito eficientes, e por isso as concentrações atmosféricas de metano aumentaram em 150% em relação a 250 anos atrás, ao passo que as concentrações de dióxido de carbono cresceram só 30%.

Há uma estreita relação entre a dieta humana e as emissões de metano da pecuária.

Ao crescer ou diminuir o consumo de carne bovina, também aumentará ou se reduzirá o número de cabeças e as emissões de metano relacionadas.

A América Latina registra as maiores emissões de metano per capita, atribuíveis principalmente às grandes quantidades de gado dos países exportadores de carne, como Brasil e Argentina.

A produção de alimentos das terras de cultivo cresce menos que a população.

Quando Paul Ehrlich advertiu há três décadas que “centenas de milhões” de pessoas morreriam de fome, provavelmente exagerou, por agora (só morreram de fome dezenas de milhões).

A revolução verde, uma injeção de fertilizantes e técnicas de fabricação em série, aumentou os rendimentos das colheitas e só atrasou a escassez.

Isso, combinado com uma utilização mais intensiva das terras cultiváveis através da irrigação e o uso massivo de fertilizantes e praguicidas químicos baseados nos combustíveis fósseis, nos permitiu guardar o passo mais ou menos com o crescimento da população durante outra geração.

A estabilização da população não se produzirá antes de outro meio século, e só nos resta uma alternativa importante: reduzir drasticamente o consumo de carne, porque a conversão das áreas de pastos para plantações de alimentos aumentará a quantidade de alimentos produzida.

Doenças

As enfermidades transmissíveis não se deslocam de um lugar para o outro sozinhas, é preciso haver um vetor de transmissão, seja a água suja, o sangue infectado de ratos e insetos ou a carne contaminada.

Os resíduos animais contêm agentes patogênicos que causam doenças como a Salmonella, E. coli, Cryptosporidiume coliformes fecais, que podem estar de 10 a 100 vezes mais concentrados que nas fezes humanas.

Mais de 40 doenças podem ser transferidas aos seres humanos através de estrume.

Um relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos estima que 89% da carne moída dos hambúrgueres contêm vestígios de E. coli.

As doenças do estilo de vida, especialmente as coronárias, não eram consideradas um problema “ambiental” há uma geração.

Mas, hoje, é evidente que a maioria dos problemas de saúde pública é ambiental e não genético.

Além disso, a maioria das doenças evitáveis são o resultado das complicadas relações entre os seres humanos e seu meio ambiente, e não de causas singulares.

As doenças coronárias se relacionam com a obesidade resultante do consumo excessivo de açúcar, sal e gordura (especialmente gordura animal) e da falta de exercício resultante de um mapa urbano baseado no automóvel.

Os problemas ambientais do crescimento suburbano, a contaminação atmosférica, o consumo de combustíveis fósseis e as péssimas políticas de uso do solo são também fatores que agravam as doenças cardíacas e o câncer.

A ironia do sistema de produção de alimentos é que milhões de consumidores endinheirados nos países desenvolvidos morrem das doenças da opulência, os ataques cardíacos, as apoplexias, os diabetes e o câncer, causadas por se encherem de carne bovina e de outros animais, alimentados com cereais e soja transgênica, ao passo que os pobres do Terceiro Mundo morrem por causa de doenças da pobreza, porque lhes é negado o acesso às terras para cultivar os cereais com os quais alimentar diretamente suas famílias.

Não só a mortalidade por doenças coronárias é mais baixa nos vegetarianos que nos não vegetarianos, como também as dietas vegetarianas também tiveram êxito em frear as doenças do coração.

Os dados científicos demonstram uma relação positiva entre a dieta vegetariana e a redução do risco por obesidade, doenças das artérias coronárias, hipertensão, diabetes e alguns tipos de câncer.

Albert Einstein, mais conhecido por seus trabalhos em física e matemáticas que por seu interesse pelo mundo vivente, uma vez disse: “Nada beneficiará tanto a saúde humana e aumentará as oportunidades de sobrevivência da vida na Terra como uma dieta vegetariana”.

Não acreditamos que apenas se referia à alimentação.

Neste artigo, não dissemos nada sobre o papel da carne na dieta, ainda que haveria muito a ser dito, além das doenças do coração.

Também não abordamos a ética do vegetarianismo ou os direitos dos animais.

O propósito dessas supressões não é se omitir dessas preocupações, mas destacar que apenas com base em fundamentos ecológicos e econômicos, comer carne já é uma ameaça para a espécie humana.

A era de uma alimentação baseada fundamentalmente na carne passará, assim como a do petróleo, e ambos declínios estão estreitamente relacionados.

Distribuído por ecodebate.com.br sob norma [CC BY-NC-SA 3.0].

Escrever um comentário (0 Comentários)

Você sabe a quantidade de água usada em um pedaço de carne?

Hoje é celebrado o Dia Mundial da Água.

E quando pensamos em uso da água consciente, é muito provável que de imediato lembremos de não usar a mangueira para limpar a calçada ou de escovar os dentes com a torneira fechada.

Mas por que não nos lembramos de outros meios em que o recurso hídrico é utilizado e que não estamos acostumamos a enxergar e colocar na conta do nosso consumo?

Segundo a Agência Nacional das Águas, quase 8% da demanda deste recurso natural no Brasil vem da pecuária, e este número representa apenas o que é usado para o chamado “abastecimento animal”.

Se somarmos tudo o que é utilizado para a pecuária, desde o uso da irrigação até a limpeza do cadáver animal na hora do abate, o número pode aumentar consideravelmente.

De fato, você sabe a quantidade de água que é usada para a produção de um pedaço de carne?

Na ponta do lápis, é preciso colocar tudo o que é usado de recursos naturais na produção, como a água bebida pelo animal, a água gasta no cultivo da alimentação do animal e a água gasta no abate.

Segundo o livro “Carnelatria (Ecôanima, no prelo”, escrito pela professora Sônia T. Felipe, doutora em filosofia moral e orientadora sobre ética animal e ambiental, a indústria alimentícia de exploração animal utiliza números assustadores de uso da água para os produtos de origem animal. Veja abaixo alguns:

  • Carne bovina: 14.451 litros de água por quilo;
  • Queijo: 17.545 litros de água por quilo;
  • Carne suína: 6.814 litros de água por quilo;
  • Leite: 1.913 litros de água por litro;
  • “Frango”: 1.707 litros de água por quilo;
  • Ovo: 163 litros de água por unidade.

Fonte: https://boletimvegano.com.br/2018/03/22/voce-sabe-a-quantidade-de-agua-usada-em-um-pedaco/

Escrever um comentário (0 Comentários)

Veganismo diminui o risco de diabetes

A revista científica Nutrients publicou estudo que relacionou a alimentação vegana com a diminuição do risco de diabetes do tipo 2 em pacientes acima do peso.

O estudo acompanhou por 16 semanas voluntários que não possuíam histórico de diabetes e que estavam fora do peso considerado saudável para a idade e estatura da pessoa.

Os voluntários foram divididos em dois grupos, o primeiro retirou da dieta todos os alimentos de origem animal, como carnes, laticínios e ovos, já o segundo manteve a dieta habitual, sem restrições de alimentos.

O resultado, com base em um modelo matemático, mostrou que o grupo que aderiu à alimentação vegana teve uma melhora na sensibilidade à ação da insulina, fazendo com que as células beta do pâncreas, responsáveis pelo equilíbrio e absorção do açúcar no organismo, tivessem um desempenho eficaz e acima do que apresentou os outros voluntários do grupo que continuou consumindo alimentos de origem animal.

A diabetes é uma doença que afeta uma grande parcela da população brasileira e também mundial, aumentando riscos de amputações de membros do corpo e até infartos.

A alimentação vegana parece ser a chave para uma vida mais leve, saudável e com menos riscos de doenças agressivas.

Fonte: https://boletimvegano.com.br/2018/03/11/veganismo-diminui-o-risco-de-diabetes-aponta/

Escrever um comentário (0 Comentários)
Parábola das colheres com cabo grande

A crise ética e a cilada que armamos para nós mesmos

A competição é condição primordial inerente ao sistema capitalista e também o seu "calcanhar de aquiles", porque empurra os humanos a perseguirem objetivos individuais em detrimento da coletividade que, por sua vez, é o que dá sustentação para enfrentar desafios econômicos, sociais ou ambientais.

Isso significa que cada vez mais buscamos atingir nossos objetivos individuais, somos mais egoístas, e cada vez mais a nossa sociedade se enfraquece (estado mínimo).

E a recíproca é verdadeira, ou seja, um estado enfraquecido prejudica nossos objetivos individuais por falta de estrutura (falta segurança, saúde, educação, transporte, falta pontes, avenidas, controle, fiscalização, etc, etc).

É um círculo vicioso.

Neste contexto, uma das primeiras vítimas é a ética.

Por exemplo: hoje vi uma reportagem sobre o alto índice de desobediência no trânsito dos motoboys em São Paulo.

Mas o pano de fundo é o excesso de trabalho imposto pelas plataformas (aplicativos) terceirizados para entrega de produtos (quarterizados, na verdade).

Para atingir seus objetivos individuais, o motoboy ao invés de se sindicalizar, fortalecer o coletivo e lutar por melhores condições de trabalho, opta por trabalhar mais.

Alguns trabalham até inacreditáveis 18 horas por dia, e mesmo assim, para dar conta do trabalho, precisam praticar irregularidades no trânsito, como atravessar sinal vermelho, andar acima da velocidade, parar em local proibido, etc.

Nesse caso, um detalhe chama a atenção: considerando que cidades como São Paulo são lotadas de radares "inteligentes", deve ter muita moto com chapa fria rodando por aí (oras, como é que o sujeito vai conseguir pagar todas as multas?).

Diz o dito popular, um homem nu não pode lhe dar uma camisa.

Que ética vc acha que tem um motoboy que anda por aí, trabalhando 18 horas por dia, sem respeitar lei de trânsito numa moto com chapa fria?

O cidadão está em modo sobrevivência..

E outra questão que vem coladinha a esta: será que vc é inocente nesse processo ou a sua demanda que produz essa condição?

Afinal de contas, que sociedade estamos construindo?

Esse raciocínio nos remete a uma parábola, vou compartilhar contigo:
As Colheres de Cabo Comprido

Conta uma história que Deus convidou um homem para conhecer o céu e o inferno.

Foram primeiro ao inferno.

Ao abrirem uma porta, o homem viu uma sala em cujo centro havia um caldeirão de substanciosa sopa e à sua volta estavam sentadas pessoas famintas e desesperadas.

Cada uma delas segurava uma colher, porém de cabo muito comprido, que lhes possibilitava alcançar o caldeirão, mas não permitia que colocassem a sopa na própria boca.

O sofrimento era grande.

Em seguida, Deus levou o homem para conhecer o céu.

Entraram em uma sala idêntica à primeira: havia o mesmo caldeirão, as pessoas em volta e o mesmo tipo de colher de cabo comprido.

A diferença é que todos estavam saciados. Não havia fome, nem sofrimento.

"Eu não compreendo", disse o homem a Deus, "por que aqui as pessoas estão felizes enquanto na outra sala morrem de aflição, se é tudo igual?"

Deus sorriu e respondeu:

"Você não percebeu? É porque aqui eles aprenderam a dar comida uns aos outros."

Eis a questão.

O andar da carruagem sugere a transformação do Brasil numa grande maçaroca de gente desamparada.

Um país incapaz de atender suas demandas internas, completamente empobrecido, apesar de toda a riqueza à nossa volta.

Uma armadilha que criamos para nós mesmos, e que somente será desarmada quando aprendermos a alimentar os outros.

E não há como aprender isso sem resgatar os princípios éticos que deveriam nortear nossa sociedade.

Não é possível aceitar a mentira.. por exemplo..

.. considerando que vivemos em um mundo fake, a maior parte da informação à nossa volta é mentirosa, temos muito trabalho pela frente.

Escrever um comentário (0 Comentários)