Início / Diversos / O fim das doutrinas e o desprendimento necessário

O fim das doutrinas e o desprendimento necessário

Vou suavizar minhas palavras para conter sua indignação, já que meu objetivo é te-lo(la) como aliado(a).

Nós estamos vivendo uma grande transformação decorrente de vários processos em vários setores, econômicos, sociais, ecológicos, sanitários, comportamentais, enfim, tudo está mudando, de forma extremamente rápida e independente da nossa vontade.

Um dos elementos transformadores dessa era é a internet, que promoveu uma “democratização” da palavra, que, por sua vez, promoveu uma saturação de informação.

Hoje as pessoas “sabem” muito mais do que anos atrás, ainda que a maior parte desse saber seja lixo, despejado justamente para impedir o verdadeiro saber, mas isso é outro debate..

O fato concreto é que estamos expostos a uma grande quantidade de dados e a natureza humana nos levará ao questionamento de tudo.

Não sei se é fatal, mas essa saturação de informação é um duro golpe naquilo que conhecemos como “fé cega”.

Também um duro golpe no misticismo.

É uma tendência que provavelmente nos levará a uma condição de descrença total, o tal “fim de todas as religiões” previsto aí pelos teóricos da conspiração.

E as doutrinas, podemos falar francamente?

O que vc conhece por “doutrina”, em todas as religiões, é uma reprogramação neurológica, um enquadramento planejado da sua mente num determinado escopo..

.. uma lavagem cerebral..

É assim na Umbanda, no Candomblé, no Kardecismo, nas denominações Evangélicas, Católicas, Budismo, Hinduísmo, todos..

.. para o bem e para o mal..

É possível que exista mistificação de eventos que, na verdade, são apenas fenômenos naturais?

Por exemplo, como vc acha que é formado o processo de psicografia?

Tese: na maioria das vezes a “inspiração” nasce partir de elementos oriundos da doutrina, “internalizados” na mente do Médium..

.. ele escreve (psicografa) aquilo que o ensinaram a escrever.

Percebe esse mecanismo?

O Médium novato é estimulado a ler inúmeros livros, participar de inúmeras reuniões, ouvir inúmeras manifestações, até a doutrina entrar na cabeça dele, até ele começar a “cantar” conforme as expectativas.

Quem “cochicha” no ouvido do Médium no momento da psicografia?

Uma Entidade ou a ressonância de horas e horas de leituras e palestras?

Seria razoável supor um viés cognitivo do Médium em busca de conforto espiritual e pertencimento, inclusive apelando para o senso comum?

Quantos questionamentos, não?

E na Umbanda, vejam quanta mistificação em nome dos Espíritos.

E os Pastores que falam em nome de Jesus?

Será?

Tudo isso será questionado, é uma tendência natural.

Inclusive o fato de que todas as religiões são máquinas de “reprogramação neurológica” criadas para “corrigir” e “dominar” seres humanos (com diversos propósitos).

O que nos leva a concluir que esse modelo está nos estertores.

Dele se abrirão 2 possibilidades, evolução para uma nova forma de relacionamento com Deus ou involução através do isolamento social.

Um jogo que ainda está sendo jogado.

O “click” é perceber que a Verdade, a Essência de Deus, está acima de todas as doutrinas e que o domínio do homem pela religião é um modelo esgotado.

Uma encruzilhada para a raça humana.

Seja como for, as doutrinas serão dissipadas uma a uma, ainda que em tempos diferentes, e isso virá pela dor ou pelo amor.

Pela dor temos um elenco de sofrimento humano, fome, doenças, violência, desespero, ódio, desesperança, tudo trabalhando para um “esvaziamento doutrinário” que transformará pessoas em “sub humanos”, meras peças de reposição de um sistema escravagista.

É o cara que não tem fé alguma, não confia em ninguém, seu deus é o dinheiro, é materialista, individualista em modo de sobrevivência.

Conhece alguém assim?

Pelo amor temos a oportunidade de ampliar a consciência e descobrir juntos esse novo nível de relacionamento com Deus, fazer essa universalidade religiosa funcionar de fato.

Desafio que só venceremos se nos livrarmos das amarras psicológicas e doutrinárias que nos impedem de evoluir..

.. nos despir do orgulho, vaidade, racismo, deixar para trás nossos próprios demônios..

Tudo muito difícil nos dias atuais, né?

Mas é algo que se impõe.

Ou fazemos ou perecemos.

Compartilhe esse conteúdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *